IGREJA ESPÍRITA CRISTÃ DE SÃO MIGUEL ARCANJO

IGREJA ESPÍRITA CRISTÃ DE SÃO MIGUEL ARCANJO
SEMEAR E DIFUNDIR A UMBANDA BRANCA INDÍGENA (UMBANDA DE CABOCLOS). PRESTAMOS ATENDIMENTO ESPIRITUAL, TOTALMENTE GRATUÍTO. A CARIDADE É A FORÇA DE NOSSA FÉ. NOSSO HORÁRIO DE TRABALHO É: AOS SÁBADOS DAS 19:00 ÀS 22:00HS. ENDEREÇO: RUA PEDRANÓPOLIS Nº 1313, VILA DIRCE (PRÓXIMO AO CDHU), CARAPICUÍBA, SÃO PAULO - BRASIL. PENSAMENTOS DE UM ALAGOANO, SEGUNDO NOSSO MENTOR ESPIRITUAL: DR. JOSÉ APARECIDO DA SILVA (VULGO: ZÉ PILINTRA D0 BORÉO): O QUE ESTÁ ACONTENCENDO COM A VERDADEIRA UMBANDA INDÍGENA BRASILEIRA. SABE-SE, QUE A NOSSA UMBANDA COM O PASSAR DOS SÉCULOS, SOFREU MUITAS ALTERAÇÕES NOS SEUS RITUAIS E CREDOS, CONTUDO A RAIZ DE NOSSA RELIGIÃO, POIS ESTA SIM É UMA RELIGIÃO EXCLUSIVAMENTE BRASILEIRA, TAMBÉM SE PERDEU. HOJE ENCONTRAM-SE ADEPTOS QUE ACREDITAM QUE NOSSA RELIGIÃO TEVE SUA ORIGEM NO CANDOMBLÉ, ENTRE OUTROS ABSURDOS. NÃO TEMOS NADA CONTRA O CANDOMBLÉ, O RESPEITAMOS, COMO TAMBÉM RESPEITAMOS TODAS AS DEMAIS RELIGIÕES, OS RESPEITAMOS COMO NOSSOS IRMÃOS, FILHOS DO MESMO DEUS. CONTUDO ISTO NÃO IMPLICA EM ACEITARMOS PENSAMENTOS ERRÔNEOS COMO ESTE ACIMA MENCIONADO. A UMBANDA JÁ ERA PRATICADA PELOS ÍNDIOS QUE HABITAVAM NOSSO PAÍS, SÉCULOS ANTES DA CHEGADA DE CABRAL, BEM COMO OS NEGROS JÁ PRATICAVAM O SEU CANDOMBLÉ NAS PLAGAS AFRICANAS, BEM ANTES DA CHEGADA DOS POVOS BRANCOS, SENDO ASSIM ENTENDEMOS ESTAS POR DUAS RELIGIÕES DISTINTAS DENTRO DO CAMPO ESPIRITUAL, CADA UMA COM SUA ORIGEM, CREDOS E DOGMAS DIFERENTES, NÃO PODENDO NUNCA SEREM CONFUNDIDAS COM UM SÓ. QUEM ESQUECE OU DESCONHECE SUAS PRÓPRIAS RAÍZES, SEU PASSADO, NÃO PODE CAMINHAR NUM FUTURO PRÓSPERO, A INFORMAÇÃO CORRETA É A CHAVE DA EVOLUÇÃO MATERIAL E ESPIRITUAL, CABE A CADA UM BUSCAR A SUA.............A VERDADE NÃO É PROPRIEDADE DE ALGUÉM, CABE CADA UM BUSCAR A SUA.........

sexta-feira, 2 de abril de 2010

PARA REFLEXÃO

DANDO UMA OLHADA EM MEUS ALFARRÁBIOS CIBERNÉTICOS, ENCONTREI ESTES TEXTO RETIRADO DA NET,  NÃO ME LEMBRO DAS FONTES NEM DO ENDEREÇO OU MESMO UM LINK. DESDE JÁ PEÇO DESCULPAS AO AUTOR, POR NÃO DAR AQUI OS DEVIDOS CRÉDITOS. GOSTARIA QUE MEUS IRMÃO DE FÉ PUDESSEM COMPARTILHAR COMIGO DESTA PÉROLA FILOSOFAL.

SARAVÁ.

"DE KRISHNA À MODERNIDADE (evolução humana)

Cantávamos hinos de louvor com Krishna, aprendendo o conceito da imortalidade da alma, à sombra das árvores augustas que aspiram aos cimos do Himalaia, e descíamos, logo depois, ao vale do Ganges, matando e destruindo para gozar e possuir.   Soletrávamos o amor universal com Sidarta Gautama, e perseguíamos os semelhantes, em aliança com os guerreiros cingaleses e hindus.  Fomos herdeiros da Sabedoria, nos tempos distantes da Esfinge, e, no entanto, da reverência aos mistérios da iniciação passávamos à hostilidade sanguissedenta, nas margens do Nilo.  Acompanhando a arca simbólica dos hebreus, reiteradas vezes líamos os mandamentos de Jeová, contidos nos rolos sagrados, e, desatentos, os esquecíamos, ao primeiro clamor de guerra aos filisteus. Chorávamos de comoção religiosa em Atenas, e assassinávamos nossos irmãos em Esparta.  Admirávamos Pitágoras, o filósofo, e seguíamos Alexandre, o conquistador.  Em Roma, conduzíamos oferendas valiosas aos deuses, nos maravilhosos santuários, exaltando a virtude, para desembainhar as armas, minutos depois, no átrio dos templos, disseminando a morte e entronizando o crime; 
- Escrevíamos formosas sentenças de respeito à vida, com Marco Aurélio, e ordenávamos a matança de pessoas limpas de culpa e úteis à sociedade.  Com Jesus, o Divino Crucificado, nossa atitude não tem sido diferente.  Sobre os despojos dos mártires, imolados nos circos, vertemos rios de sangue em vindita cruel, armando fogueiras do sectarismo religioso.  Suportamos administradores arbitrários e ignominiosos, de Nero a Diocleciano, porque tínhamos fome de poder, e quando Constantino nos abriu as portas da dominação política, convertemo-nos de servos aparentemente fiéis ao Evangelho em criminosos árbitros do mundo.  Pouco a pouco esquecemos os cegos de Jericó, os paralíticos de Jerusalém, as crianças do Tiberíades, os pescadores de Cafarnaum, para afagar as testas coroadas dos triunfadores, embora soubéssemos que os vencedores da Terra não podem fugir à peregrinação ao sepulcro.  Tornou-se a idéia do Reino de Deus fantasia de ingênuos, pois não largávamos o lado direito dos príncipes, sequiosos de fastígio mundano.  Ainda hoje, decorridos quase vinte séculos sobre a cruz do Salvador, benzemos baionetas e canhões, metralhadoras e tanques de assalto, em nome do Pai Magnânimo, que faz refulgir o sol da misericórdia sobre os justos e sobre os injustos. É por esta razão que nossos celeiros de luz permanecem vazios. O vendaval das paixões fulminantes de homens e de povos passa ululante, de um a outro pólo, a semear maus presságios.
Até quando seremos gênios demolidores e perversos? Ao invés de servos leais do Senhor da Vida, temos sido soldados dos exércitos da ilusão, deixando à retaguarda milhões de túmulos, abertos sob aluviões de cinza e fumo. Debalde exortou-nos o Cristo a buscar as manifestações do Pai em nosso próprio íntimo. Cevamos e expandimos unicamente:
         O egoísmo e a ambição,  
         A vaidade e a fantasia na Crosta Planetária.   
Contraímos pesados débitos e escravizamo-nos aos tristes resultados de nossas obras, deixando-nos ficar, indefinidamente, na messe dos espinhos.
Foi assim que atingimos a época moderna, em que a loucura se generaliza e a harmonia mental do homem está a pique de soçobro. De cérebro evolvido e coração imaturo, requintamo-nos, presentemente, na arte de esfacelar o progresso espiritual."

TEXTO ELUCIDATIVO SOBRE O "UMBRAL", CONFORME DESCRIÇÃO DO ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ.


UMBRAL

Umbral [do espanhol umbral= soleira da porta]
*                                           1. Limiar, entrada. 
                   2. Conforme informação do Espírito André Luiz, uma das regiões inferiores do Mundo Espiritual em que se agregam por sintonia mentais ainda em descompasso com o bem.Umbroso [do espanhol umbral + -oso] - Aquilo que é escuro, sombrio, próprio do umbral.Umbral, situado entre a Terra e o Céu, dolorosa região de sombras, erguida e cultivada pela mente humana, em geral rebelde e ociosa, desvairada e enfermiça.O imenso Umbral, à saída do campo terrestre, vive repleto de homens e mulheres que vararam a grande fronteira, em plena conexão com a experiência carnal. Não devemos acreditar, porém, quanto aos serviços de resgate e de expiação, que a esfera carnal seja a única capaz de oferecer o bendito ensejo de sofrimento áspero,            redentor. Em regiões sombrias, fora dela, quais não podes ignorar, há oportunidade de tratamento expiatório para os devedores mais infelizes, que voluntariamente contraíram perigosos débitos para com a Lei. Umbral - Nome atribuído a uma localidade do chamado "astral inferior", onde se estabelecem os espíritos de baixa vibração espiritual, que precisam pagar por infrações cometidas contra as leis de Deus.  Em geral ...
*                                                             - suicidas,
*                                                             - homicidas,
*                                                 - almas desajustadas
*                                                             - e cometedoras de graves delitos.
                           Sua descrição não foge muito as descrições dantescas do inferno.  E aí pode estar uma das razões da lenda de um inferno de fogo e enxofre. Porém a realidade dos espíritos que expiam no umbral é bem diferente e por que não dizer bem pior que a do inferno católico: O espírito, não raro, sofre incessantemente com a visão de seu suicídio ou de seus crimes. Ás vezes, por anos a fio, revê sem parar o instante em que com um tiro tirava a própria vida, sente a carne sendo dilacerada pelo projétil, vê a condição desamparada de seus filhos que porventura tenha deixado, é constantemente acusado de assassino, numa guerra psicológica fora de nossa compreensão. Muitas vezes sente fome ou sede insuportáveis, as vezes por anos seguidos.Sente frio ou calor inenarráveis. E muito freqüentemente sentem o seu próprio corpo sendo consumido pelos vermes, o vê se deteriorando e sente todas as sensações decorrentes deste estado de putrefação. O umbral se caracteriza, na linguagem dos espíritos, como um lugar de extremo sofrimento, "de choro e ranger de dentes". Muitas vezes o espírito, tão ignorante, desencarna, passa ali vários anos e mesmo assim ignora sua condição desencarnado. Segundo as descrições dos espíritos, o umbral é a sede dos espíritos de baixo desenvolvimento espiritual da terra , e sua descrição é, não raro, de um lugar de trevas povoado de dor, gritos de sofrimento, gemidos, de um insuportável cheiro pútrido, o que já é suficiente para caracterizar o nível moral dos que ali residem. Essa descrição deve ser tomada como uma constante, pois o umbral, como já relatado alhures, se trata do nome do lugar onde existem essas características básicas e para onde os espíritos inferiores são encaminhados para resgatar dívidas, crimes e infrações. O umbral se localiza próximo a crosta terrestre.  E é importantíssimo lembrar a maior diferença entre o umbral e o inferno católico: No inferno católico a alma infeliz recebe uma sentença eterna de sofrer nas chamas do inferno para todo o sempre.
                   Segundo a doutrina espírita, o umbral é a região onde o espírito desregrado permanece temporariamente, até que lhe seja permitida uma nova encarnação para que possa, sob o jugo da matéria, resgatar melhor suas dívidas para com Deus ou expiar para que possa continuar caminhando para frente rumo a sua evolução. Porque no espiritismo não existe uma lei de Deus que condene ou felicite um espírito eternamente, pois existe a lei da reencarnação e uma imposição assim estaria claramente negando a tão falada justiça divina, que o catolicismo tanto proclama mas se contradiz totalmente ao impor penas eternas para uma alma que só teve uma encarnação para praticar o bem e o mal. Nesse ponto o catolicismo não procura nem saber em que condições aquela alma veio ao mundo, se numa família rica e carinhosa ou se numa sarjeta com uma mãe prostituta e um pai desconhecido. É por esses motivos que só o espiritismo consegue explicar lógica e racionalmente a vida e Deus sem se contradizer em nenhum momento. Em 1947, André Luiz (espírito) não tinha o curso de assistência aos sofredores nas sombras espessas. Seu instrutor afagando-lhe de leve, com a destra carinhosamente, acrescentou: Se nos é indispensável obter difíceis realizações preparatórias, a fim de colhermos o benefício das Grandes Luzes, é-nos imprescindível a iniciação, para ministrarmos esse mesmo benefício na "grandes trevas". Nas zonas infernais, também dispomos de preciosas oportunidades de trabalho, não somente vencendo as aflições purgatoriais que estabelecemos em nós mesmos, como também preparando novos caminhos para o céu interior que devemos edificar. Depois de cada desencarnação, a grande maioria regressa habitualmente às zonas purgatórias de que procede, ... com alguma vantagem no acerto das suas contas, mas não com valores acumulados, imprescindíveis à definitiva libertação das sombras, porque todos somos tardios na decisão de pagar nossos débitos, até o integral sacrifício ... Esses lugares não são infelizes, de vez que infortunados são os irmãos que os povoam... Os jardins e pomares que enriqueçam um manicômio deixarão de ser jardins e pomares porque existam enfermos a desfrutar-lhes as emanações nutrientes?   Pois é, meu caro, as áreas do espaço, às vezes enormes, ocupadas por legiões de criaturas padecentes ou desequilibradas, estão circunscritas e policiadas, por maiores que sejam, funcionando à maneira dos sítios terrestres, utilizados por grandes instituições para a recuperação dos enfermos da mente. Você não ignora que existem doentes da alma, consumindo larga faixa da existência nos hospícios acolhedores da Terra. Isso acontece aqui também. Ladeando o nosso vilarejo, temos vasto território, empregado no asilo a irmãos desajustados, aos milhares, mantidos e vigiados por muitas organizações de beneficência, que trabalham no socorro fraternal. O estado de tribulação é pertinente ao espírito e não ao lugar. Muitos de nós, os desencarnados, suportamos tempos difíceis, em paisagens determinadas que nos refletem as próprias perturbações íntimas. Essa anomalia pode perdurar por muito tempo, de conformidade com as nossas inclinações e esforço indispensável para que nos aceitemos, imperfeitos como ainda somos, conquanto não ignoremos a necessidade de burilamento que as leis da vida nos estabelecem. Somos, por agora, consciências endividadas ou expoentes de evolução deficitária, ante a Vida Maior, carregando o dever de podar os nossos defeitos em trabalho digno e incessante. Enquanto estejamos em desequilíbrio, após a desencarnação, desequilíbrio que é sempre agravado pela nossa inconformidade ou rebeldia, orgulho ou desespero, ameaçando a segurança dos outros, permaneceremos compreensivelmente internados ou segregados em faixas de espaço, junto de quantos evidenciem perturbações ou conflitos semelhantes aos nossos, à maneira de doentes mentais, afastados do convívio doméstico para tratamento justo. Que empório extravagante era aquele? Algum país onde vicejassem tipos sub-humanos? Eu sabia que semelhantes criaturas não envergavam corpos carnais e que se congregavam num reino purgatorial, em beneficio próprio; entretanto, vestiam-se de roupagens de matéria francamente imunda. Lombroso e Freud encontrariam aí extenso material de observação. Incontáveis tipos que interessariam, de perto, à criminologia e à psicanálise. Vagueavam absortos, sem rumo. Exemplares inúmeros de pigmeus, cuja natureza em si ainda não posso precisar, passavam por nós, aos magotes. Plantas exóticas, desagradáveis ao nosso olhar, ali proliferam, e animais em cópia abundante, embora monstruosos, se movimentavam a esmo, dando-me a idéia de seres acabrunhados que pesada mão transformara em duendes. Becos e despenhadeiros escuros se multiplicavam em derredor, acentuando-nos o angustioso assombro. O Instrutor, todavia, esclareceu, discreto: — Guarda as perguntas intempestivas no momento. Estamos numa colônia purgatorial de vasta expressão. Quem não cumpre aqui dolorosa penitência regenerativa, pode ser considerado inteligência sub-humana. Milhares de criaturas, utilizadas nos serviços mais rudes da natureza, movimentam-se nestes sítios em posição infra terrestre. A ignorância, por ora, não lhes confere a glória da responsabilidade. Em desenvolvimento de tendências dignas, candidatam-se à humanidade que conhecemos na Crosta. Situam-se entre o raciocínio fragmentário do macacóide e a idéia simples do homem primitivo na floresta. Afeiçoam-se a personalidades encarnadas ou obedecem, cegamente, aos espíritos prepotentes que dominam em paisagens como esta. Guardam, enfim, a ingenuidade do selvagem e a fidelidade do cão. O contacto com certos indivíduos inclina-os ao bem ou ao mal e somos responsabilizados pelas Forças Superiores que nos governam, quanto ao tipo de influência que exercermos sobre a mente infantil de semelhantes criaturas. Com respeito aos Espíritos que se mostram nestas ruas Sinistras, exibindo formas quase animalescas, neles reparamos várias demonstrações da anormalidade a que somos conduzidos pela desarmonia interna. Nossa atividade mental nos marca o perispírito. Podemos reconhecer a propriedade do asserto, quando ainda no mundo: O glutão começa a adquirir aspecto deprimente no corpo em que habita. Os viciados no abuso do álcool passam a viver de borco, arrojados ao solo, à maneira de grandes vermes. A mulher que se habituou a mercadejar com o vaso físico, olvidando as sagradas finalidades da vida, apresenta máscara triste, sem sair da carne.    Aqui, porém, o fogo devorador das paixões aviltantes revela suas vítimas com mais hedionda crueldade.

HOMENAGEM SINGELA

BOA TARDE MEUS IRMÃOS DE FÉ, DESDE JÁ DESEJO A TODOS UMA FELIZ PÁSCOA, E UM ÓTIMO FINAL DE SEMANA. CONTUDO O INTUITO DESTA POSTAGEM É HOMENAGEAR AQUELE QUE FOI E CONTINUARÁ SENDO O MAIOR MÉDIUM QUE NOSSO PAÍS JÁ VIU, E O SEGUNDO QUE O MUNDO TESTEMUNHOU, NÃO SENDO MERA CASUALIDADE ALGUNS ENTENDIDOS SUSTENTAREM A POSSIBILIDADE DELE SER A REENCARNAÇÃO DE ALLAN KARDECK, TAMANHA SUA EVOLUÇÃO E DISTÂNCIA DE TODOS OS OUTROS MEROS MORTAIS, PRESOS AOS DRAMAS DA CARNE.
COMO VOCÊS JÁ DEVEM TER PERCEBIDO, ESTOU ME REFERINDO AO MÉDIUM FRANCISCO  CÂNDIDO XAVIER, OU SIMPLESMENTE CHICO XAVIER. SEGUE ABAIXO MATERIAL EXTRAIDO DO SITE WIKIPÉDIA ENCICLOPÉDIA LIVRE, AQUELES QUE SE INTERESSAREM  PODEM SEGUIR OS LINKS ABAIXO E PESQUISAREM UM POUCO MAIS SOBRE ESTE EXEMPLO DE PESSOA HUMANA, QUE SE AINDA ESTIVESSE ENCARNADO NESTE PLANO, HOJE SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO, ESTARIA COMPLETANDO CEM ANOS DE VIDA.  PARABÉNS ETERNO CHICO, E SEI QUE DE ONDE ESTIVER ESTARÁS ORANDO POR NÓS.

Chico Xavier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Chico Xavier


Francisco Cândido Xavier
Nascimento
2 de abril de 1910
Pedro Leopoldo, Minas Gerais
Morte
30 de junho de 2002 (92 anos)
Uberaba, Brasil
Nacionalidade
 Brasileiro
Ocupação
Médium, um dos expoentes do espiritismo no Brasil
Francisco Cândido Xavier (Pedro Leopoldo, 2 de abril de 1910  Uberaba, 30 de junho de 2002), nascido como Francisco de Paula Cândido] e mais conhecido popularmente por Chico Xavier, notabilizou-se como médium  e célebre divulgador do Espiritismo no Brasil.
Vida
Nascido de uma família pobre em Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte, era filho de Maria João de Deus e João Cândido Xavier. Educado na fé católica, Chico teve seu primeiro contato com a Doutrina Espírita em 1927, após fenômeno obsessivo verificado com uma de suas irmãs. Passa então a estudar e a desenvolver sua mediunidade que, como relata em nota no livro Parnaso de Além-Túmulo, somente ganhou maior clareza em finais de 1931. O seu nome de batismo Franciso de Paula Cândido foi dado em homenagem ao santo do dia de seu nascimento, substituído pelo nome paterno de Francisco Cândido Xavier logo que rompeu com o catolicismo e escreveu seus primeiros livros e mudado oficialmente em abril 1966,  quando da segunda viagem de Chico aos Estados Unidos. O mais conhecido dos espíritas brasileiros contribuiu para expandir o movimento espírita brasileiro e encorajar os espíritas a revelarem sua adesão à doutrina sistematizada por Allan Kardec. Sua credibilidade serviu de incentivo para que médiuns espíritas e não-espíritas realizassem trabalhos espirituais abertos ao público. Chico é lembrado principalmente por suas obras assistenciais em Uberaba, cidade onde faleceu. Nos anos 1970 passou a ajudar pessoas pobres com o dinheiro da vendagem de seus livros, tendo para tanto criado uma fundação.

Infância

Segundo biógrafos, a mediunidade de Chico teria se manifestado pela primeira vez aos quatro anos de idade, quando ele respondeu ao pai sobre ciências, durante conversa com uma senhora sobre gravidez. Ele dizia ver e ouvir os espíritos e conversava com eles. Aos 5 anos conversava com a mãe, já desencarnada. Na casa da madrinha, foi muito maltratado, chegando a levar garfadas na barriga. Aos sete anos de idade, saiu da casa da madrinha para voltar a morar com o pai, já casado outra vez. Ele, para ajudar nas despesas da casa trabalhava e estudava em escola pública. Por conseqüência, dormia apenas sete horas por dia.

Juventude

No ano de 1924, termina o curso primário e não voltou a estudar, começando a trabalhar como auxiliar de cozinha em um restaurante no ano de 1925. No mês de maio de 1927, participou de uma sessão espírita onde vê o espírito de sua mãe, que lhe aconselha ler as obras de Allan Kardec, em junho ajudou a fundar o Centro Espírita Luiz Gonzaga, e em julho inicia os trabalhos de psicografia escrevendo 17 páginas. Em 1928, aos 18 anos, começou a publicar suas primeiras mensagens psicografadas nos jornais O Jornal, do Rio de Janeiro, e Almanaque de Notícias, de Portugal. 

Divulgação no exterior

Em 22 de maio de 1965 Chico Xavier e Waldo Vieira viajaram para Washington, Estados Unidos, a fim de divulgar o espiritismo no exterior. Com a ajuda de Salim Salomão Haddad, presidente do centro Christian Spirit Center, e sua mulher Phillis estudaram inglês e lançaram o livro Ideal Espírita, com o nome de The World of The Spirits.

Falecimento

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.”

 Chico Xavier

Chico Xavier faleceu aos 92 anos de idade em decorrência de parada cardíaca. Conforme relatos de amigos e parentes próximos, Chico teria pedido a Deus para morrer em um dia em que os brasileiros estariam muito felizes, e que o país estaria em festa, por isso ninguém ficaria triste com seu passamento. O país festejava a conquista da Copa do Mundo de futebol de 2002 no dia de seu falecimento. Chico foi eleito o mineiro do século XX, seguido por Santos Dumont e Juscelino Kubitschek. Recentemente, iniciou-se a construção de um centro em sua homenagem. Antes de sua morte, ele havia deixado uma espécie de código com pessoas de sua confiança para que pudessem ratificar sua presença quando houvesse um contato. Já nos aproximamos do décimo ano de sua morte e nenhum contato foi confirmado até o momento.

Psicografias


Chico Xavier psicografou 451 livros, sendo 39 publicados após a morte. Nunca admitiu ser o autor de nenhuma dessas obras. Reproduzia apenas o que os espíritos lhe ditavam. Por esse motivo, não aceitava o dinheiro arrecadado com a venda de seus livros. Vendeu mais de 50 milhões de exemplares em português, com traduções em inglês, espanhol, japonês, esperanto, italiano, russo, romeno, mandarim, sueco e braile. Psicografou cerca de 10 mil cartas de mortos para suas famílias. Cedeu os direitos autorais para organizações espíritas e instituições de caridade, desde o primeiro livro.
Suas obras são publicadas pelo Centro Espírita União, Casa Editora O Clarim, Edicel, Federação Espírita Brasileira, Federação Espírita do Estado de São Paulo, Federação Espírita do Rio Grande do Sul, Fundação Marieta Gaio, Grupo Espírita Emmanuel s/c Editora, Comunhão Espírita Cristã, Instituto de Difusão Espírita, Instituto de Divulgação Espírita André Luiz, Livraria Allan Kardec Editora, Editora Pensamento e União Espírita Mineira.
Mesmo não tendo ensino completo ele escrevia em torno de 6 livros por ano entre eles livros de romances, contos, filosofia, ensaios, apólogos, crônicas, poesias... É o escritor mais lido da América Latina. (nota: ano de 2010).
Seu primeiro livro, Parnaso de Além-Túmulo, com 256 poemas atribuídos a poetas mortos, entre eles os portugueses João de Deus, Antero de Quental e Guerra Junqueiro, e os brasileiros Olavo Bilac, Cruz e Sousa e Augusto dos Anjos, foi publicado pela primeira vez em 1932. O livro gerou muita polêmica nos círculos literários da época. O de maior tiragem foi Nosso Lar, publicada no ano de 1944, atualmente com mais de 2 milhões cópias vendidas, atribuído ao espírito André Luiz, sendo o primeiro volume da coleção de 17 obras, todas psicografadas por Chico Xavier, algumas delas em parceria com o médico mineiro Waldo Vieira.
Os céticos diziam que ele seria desmascarado que ele iria cair, e o Chico dizia que não iria cair pois nunca havia levantado.
Uma de suas psicografias mais famosas, e que teve repercussão mundial, foi a do caso de Goiânia em que José Divino Nunes, acusado de matar o melhor amigo, Maurício Henriques, foi inocentado pelo juiz que aceitou como prova válida (entre outras que também foram apresentadas pela defesa) um depoimento da própria vítima, já falecida, através de texto psicografado por Chico Xavier. O caso aconteceu em outubro de 1979, na cidade de Goiânia, Goiás. Assim, o presumido espírito de "Maurício" teria inocentado o amigo dizendo que tudo não teria passado de um acidente.

Filme Biográfico

Em 2 de abril de 2010, data em que Chico Xavier completaria 100 anos, estréia Chico Xavier - O Filme, baseado na biografia "As Vidas de Chico Xavier", do jornalista Marcel Souto Maior. Dirigido e produzido pelo cineasta Daniel Filho, Chico Xavier será retratado pelos atores Matheus Costa, Ângelo Antônio e Nelson Xavier, respectivamente, em três fases de sua vida: de 1918 a 1922, 1931 a 1959 e 1969 a 1975.

Principais obras psicografadas

Ano
Obra
Autor espiritual
Editora
1932
Parnaso de Além-Túmulo
Vários autores
FEB
1937
Crônicas de Além-Túmulo
Humberto de Campos
FEB
1938
Emmanuel
Emmanuel
FEB
1938
Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho
Humberto de Campos
FEB
1938
A Caminho da Luz
Emmanuel
FEB
1939
Há Dois Mil Anos
Emmanuel
FEB
1940
Cinqüenta Anos Depois
Emmanuel
FEB
1941
O Consolador
Emmanuel
FEB
1942
Paulo e Estevão
Emmanuel
FEB
1942
Renúncia
Emmanuel
FEB
1944
Nosso Lar
André Luiz
FEB
1944
Os Mensageiros
André Luiz
FEB
1945
Missionários da Luz
André Luiz
FEB
1945
Lázaro Redivivo
Irmão X
FEB
1946
Obreiros da Vida Eterna
André Luiz
FEB
1947
Volta Bocage
Bocage
FEB
1948
No Mundo Maior
André Luiz
FEB
1948
Agenda Cristã
André Luiz
FEB
1949
Voltei
Irmão Jacob
FEB
1949
Caminho, Verdade e Vida
Emmanuel
FEB
1949
Libertação
André Luiz
FEB
1950
Jesus no Lar
Neio Lúcio
FEB
1950
Pão Nosso
Emmanuel
FEB
1952
Vinha de Luz
Emmanuel
FEB
1952
Roteiro
Emmanuel
FEB
1953
Ave, Cristo!
Emmanuel
FEB
1954
Entre a Terra e o Céu
André Luiz
FEB
1955
Nos Domínios da Mediunidade
André Luiz
FEB
1956
Fonte Viva
Emmanuel
FEB
1957
Ação e Reação
André Luiz
FEB
1958
Pensamento e Vida
Emmanuel
FEB
1959
Evolução em Dois Mundos
André Luiz
FEB
1960
Mecanismos da Mediunidade
André Luiz
FEB
1960
Religião dos Espíritos
Emmanuel
FEB
1961
O Espírito da Verdade
Diversos espíritos
FEB
1963
Sexo e Destino
André Luiz
FEB
1968
E a Vida Continua…
André Luiz
FEB
1970
Vida e Sexo
Emmanuel
FEB
1971
Sinal Verde
André Luiz
Comunhão Espírita
Cristã (CEC)
1977
Companheiro
Emmanuel
Instituto de Difusão
Espírita (IDE)
1985
Retratos da Vida
Cornélio Pires
IDE/CEC
1986
Mediunidade e Sintonia
Emmanuel
CEU
1991
Queda e Ascensão da Casa dos Benefícios
Bezerra de Menezes
GER
1999
Escada de Luz
Diversos espíritos
CEU